Explorao sexual tema de live promovida pelo CMDCA-Rio

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA-Rio), por meio do Grupo de Trabalho para Revisão do Plano Municipal de Enfrentamento às Violências Sexuais contra Crianças e Adolescentes, organizou um evento no dia 25 de outubro de 2021, que teve como tema “A Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: os Caminhos para a Prevenção e o Enfrentamento”. O encontro contou com uma palestra da gerente de Programas e Relações Empresariais da Childhood Brasil, Eva Cristina Dengler.  A transmissão foi feita via Facebook do CMDCA-Rio.

A abertura foi feita pela coordenadora do GT, Maria America Diniz Reis. Ela contou que a fala da palestrante iria contribuir para a elaboração do Plano Municipal, que está em andamento.

Na sequência, a presidente do CMDCA-Rio, Érica Arruda, desejou boas-vindas:

- Agradeço a presença de todos e a contribuição da Eva em relação ao tema da exploração sexual contra criança e adolescentes. Este é um assunto urgente e existe um desconhecimento da rede sobre o que fazer e precisamos pensar nas repostas. Essa live é uma oportunidade de capacitação da rede como um todo. Durante a pandemia, a violência cresceu muito contra este público e estamos retomando a rede de apoio - resumiu.

Em sua palestra, Eva falou de sua importante experiência à frente da Childhood Brasil, coordenando programas como o Na Mão Certa, que completa 15 anos. Seu trabalho tem impactado no desenvolvimento de programas e projetos intersetoriais de promoção dos direitos da criança e do adolescente com foco na prevenção e no enfrentamento da violência sexual incidindo tanto em políticas públicas e como privadas. Em sua fala, Eva destacou algumas consequências da violência sexual contra crianças e adolescentes:

- Afeta o desenvolvimento físico, psicológico e social; Doenças sexualmente transmitidas (DSTs); Exposição ao uso de bebidas alcoólicas e outras drogas; Evasão escolar; Gravidez precoce; Alto índice de tentativa de suicídio; Ciclo contínuo da violência e Comprometimento do futuro – enumerou.

O período da pandemia também trouxe um aumento no risco da violência sexual dentro de casa, conforme expôs a palestrante:

Sobre abuso sexual:

- A maioria dos casos de violência sexual ocorre na casa da vítima;

- A pandemia representou um risco ainda maior para este tipo de crime;

- Com crianças fora da escola e um convívio social mais restrito, diminuíram as chances de que sejam notados os sinais de abusos.

Sobre exploração sexual:

- Existem relatos dos caminhoneiros que a oferta de exploração sexual de crianças e adolescentes aumentou nas estradas desde o início da pandemia;

- A desigualdade social ampliada pela pandemia aumentando a pobreza dos mais pobres, abre um cenário que vulnerabilidade e risco para a exploração sexual, especialmente aquela incentivada pela própria família.

No final da palestra, a coordenadora da Comissão de Comunicação, Priscila Pereira, fez a leitura das perguntas dos participantes da live.