Serviços
Serviços
Agenda Assembleia
19 de Fevereiro 14 às 17h
12 de Março 14 às 17h
09 de Abril 14 às 17h
14 de Maio 14 às 17h
11 de Junho 14 às 17h
09 de Julho 14 às 17h
13 de Agosto 14 às 17h
10 de Setembro 14 às 17h
10 de Outubro 14 às 17h
12 de Novembro 14 às 17h
10 de Dezembro 14 às 17h

Notícias

13.07.2018

Seminário promovido pelo CMDCA-Rio celebra 28 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente



Evento serviu para reflexão sobre os avanços e os desafios na área de proteção e cuidado do público infanto-juvenil

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa nesta sexta-feira, dia 13 de julho, 28 anos de existência. Para lembrar a data, o Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (CMDCA-Rio) em parceria com a Secretaria Municipal da Assistência Social e Desenvolvimento Humano (SMASDH) promoveu um seminário com o tema "ECA: Avanços e Desafios na Garantia de Direitos de Crianças e Adolescentes".

A presidenta do CMDCA-Rio e assistente social/São Martinho, Lucimar Correa, falou sobre a importância da data.

- O CMDCA-Rio é fruto do sistema de garantia de direitos e nossa insistência é para que o conjunto de leis presentes no ECA sejam cumpridas, ou seja, que o estatuto saia do papel para ser executado na prática – afirmou.

O ECA é o principal instrumento normativo do Brasil sobre os direitos da criança e do adolescente e inovou ao trazer a proteção integral, na qual este público é visto como possuidor de direitos, em condição peculiar de desenvolvimento e com prioridade absoluta.  Também reafirmou que a responsabilidade por garantir as condições para o pleno desenvolvimento dessa população, além de colocá-la a salvo de toda forma de discriminação, exploração e violência, deve ser compartilhada por todos: família, sociedade e Estado.

Em seu discurso, o promotor de justiça, Rodrigo Medina, falou sobre os desafios que o ECA ainda enfrenta como financiamento das políticas públicas; ampliação dos conselhos tutelares; atendimento mais digno para adolescentes que cumprem medidas socioeducativas e implementação da lei 13.431/17, que criou o sistema de proteção para crianças e adolescentes vítimas de crimes.

Participaram da mesa de abertura, além da Lucimar Correa e Rodrigo Medina, Francisco José da Rocha, da 1ª Vara de Infância, Juventude e Idoso, e Gustavo Proença, subsecretario de Direitos Humanos, da SMASDH.

A mesa técnica foi composta por Eufrásia Maria Souza das Virgens , da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro;  Juarez Marçal, responsável pela Associação Estadual dos Conselheiros Tutelares; Adolfo Breder, membro da executiva do Fórum DCA, além das adolescentes Vitória da Silva, de 18 anos, e Rebeca Cassiano, de 13 anos, ambas moradoras de Pedra de Guaratiba e integrantes da Fundação Angélica Goulart.

Em sua fala, Eufrásia destacou a importância que o ECA tem como norteador das ações das várias instituições envolvidas no cuidado com o público infanto-juvenil.

- O Brasil tem uma legislação de direitos das crianças e dos adolescentes avançada. Vejo que o nosso grande desafio é colocá-los em prática. Mesmo 28 anos após o lançamento do ECA, ainda nos deparamos com graves problemas como a violência contra jovens e o racismo – resumiu.

Já Vitória aproveitou a oportunidade para explicar como ela e outros adolescentes se sentem em relação a forma como são tratados pelos mais velhos.

- Os adultos sempre nos perguntam o que vamos ser quando crescermos, mas precisamos que as pessoas vejam como somos hoje. Temos muito a dizer e queremos ser ouvidos – concluiu a jovem.

Sobre o CMDCA-Rio

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente é um órgão criado por lei para formular e deliberar políticas públicas relativas as crianças e adolescentes, em conjunto com as áreas de saúde, meio ambiente, assistência social, educação, entre outras. Controla as ações em todos os níveis e organiza as redes de atenção à população infanto-juvenil, promovendo a articulação das ações, das entidades e dos programas da sociedade civil e dos governos. Em sua trajetória, o Conselho já deliberou a política de atendimento às crianças e aos adolescentes vítimas de violência doméstica, além da política de reordenação dos abrigos no município do Rio de Janeiro entre outras ações. O compromisso do CMDCA-Rio se firma em aproximar as políticas públicas da população em vulnerabilidade, criando uma ligação com a sociedade civil, convidando a conhecer e participar dessas necessidades.



voltar